falar ao outro, de christophe tarkos

Parler à l’autre

 L’histoire est là, aussi : chaque texte est un fragment, un indice qui permet petit à petit de reconstituer une vie. À mesure qu’ils sont dits, une histoire se dessine. Mais cette parole finit elle aussi par s’échapper…

Comme si l’homme qui parle n’en était pas conscient : c’est presque malgré lui que sa parole, cocasse, naïve, obsédante, sort de sa bouche et tresse son histoire délirante. Lui, il ne fait qu’observer, interroger le monde.

Et s’adresser au public. Sans cesse. Comme si c’était vital. Sans le public, il tombe, il meurt. Comme une marionnette, comme un clown. Alors, sans quitter leur siège, les spectateurs deviennent les partenaires principaux du jeu. Investis d’un rôle : l’ami, le confident, le meurtrier, l’amant… ils deviennent acteurs d’une relation qui les touche, responsables d’une vie qui se déploie sous leurs yeux. 

Falar ao outro

A história está aqui, também: cada texto é um fragmento, um índice que permite pouco à pouco reconstituir uma vida. À medida que eles são ditos, uma história se desenha. Mas essa palavra finita ela também pode se esvair…

Como se o homem que fala não estivesse consciente: é mais desobedecê-lo que sua palavra, coquete, tola, obsessiva, saí da sua boca e trança sua história delirante. Ele não faz mais que observar, interrogar o mundo.

Ele se endereça ao público. Sem parar. Como se fosse vital. Sem o público, ele tomba, morre. Como uma marionete, um palhaço. Então, sem sair de sua cadeira, os espectadores tornam-se os participantes principais dessa peça. Investidos de um papel: o amigo, o  confidente, o mortuário, o amante… eles se tornam atores d’uma relação que os toca, responsáveis por uma vida que se passa diante de seus olhos.

Anúncios