Silence, de Edgar Allan Poe

Silence
Edgar Allan Poe

There are some qualities- some incorporate things,
That have a double life, which thus is made
A type of that twin entity which springs
From matter and light, evinced in solid and shade.
There is a two-fold Silence- sea and shore-
Body and soul. One dwells in lonely places,
Newly with grass o’ergrown; some solemn graces,
Some human memories and tearful lore,
Render him terrorless: his name’s “No More.”
He is the corporate Silence: dread him not!
No power hath he of evil in himself;
But should some urgent fate (untimely lot!)
Bring thee to meet his shadow (nameless elf,
That haunteth the lone regions where hath trod
No foot of man,) commend thyself to God!

Silêncio
Leonardo Saraiva

Há certos atributos – incorpórea espécie –
que têm uma vida dupla, de onde surge então
um tipo de entidade gêmea que floresce
da matéria e da luz, substância e escuridão.
Há dualidade no Silêncio – mar e enseada –
corpo e alma. Parte mora nos ermos desvãos,
crescendo com o mato; uma graça ensaiada,
uma doutrina sofrida, uma recordação,
há muito que o desarme: seu nome é “O Não”.
Não o temas! É apenas Silêncio encarnado.
Nenhum poder malvado possui de seu;
mas caso teu destino (inoportuno fardo!)
faça-te conhecer sua sombra (elfo sem nome
que horroriza os longínquos lugares onde homem
jamais pisou), entrega-te à mercê de Deus!

Anúncios

Um comentário sobre “Silence, de Edgar Allan Poe

Comentar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s